The Week

Marisa Matias defende moratória para saída do Pentágono das Lajes

Sex, 02/05/2014 - 10:47

A eurodeputada Marisa Matias afirmou, a propósito da utilização da Base das Lajes pelos Estados Unidos que “se os Açores têm uma posição estratégica de excelência para fins militares também têm uma posição geoestratégica de excelência para fins civis”.

A eleita do Bloco de Esquerda integrada no grupo da Esquerda Unitária (GUE/NGL) fez a declaração durante um debate realizado na Ilha Terceira e que teve como mote a possível transformação da base em posto avançado do AFRICOM, o comando de intervenção militar dos Estados Unidos em África.

Marisa Matias defendeu a aplicação de uma moratória para a saída definitiva das tropas norte-americanas da Terceira e reconversão da base numa plataforma logística de apoio à aviação civil em conjugação com a hipótese de um porto oceânico de apoio à navegação, que deverá tornar-se mais intensa devido ao alargamento do canal do Panamá. “A vertente geoestratégica para fins civis deve ser potenciada”, afirmou a eurodeputada, que especificou que as indemnizações aos trabalhadores que sejam despedidos pela eventual saída norte-americana devem ser majoradas.

“Se fizermos as contas aos benefícios que a ocupação americana da Base das Lajes trouxe para a Terceira, em comparação com os benefícios para os Estados Unidos, é evidente que tem quem de pagar a reconversão daquele território, as indeminizações aos trabalhadores e a recuperação dos danos ambientais são os americanos”, disse Marisa Matias.

“Não queremos uma base militar na nossa terra que serve para invadir outros povos, para defender interesses que não são os de Portugal e muito menos dos Açores, como foi o caso do Iraque”, concluiu a eurodeputada do Bloco de Esquerda.

 

Redes Sociais
Opinião