Notíciário

Esquerda Europeia; "De pé, povos da Europa"

Dom, 27/04/2014 - 13:10
Marisa Matias e Alexis Tsipras
Ana Barros/Facebook, Esquerda.net

Durante um comício organizado pelo Partido da Esquerda Europeia, com o apoio do Bloco de Esquerda, Marisa Matias afirmou que "precisamos de um Abril nas eleições de Maio". A iniciativa, que encheu por completo o Cinema Batalha, no Porto, contou também com a participação da coordenadora do Bloco, Catarina Martins, e de Alexis Tsipras. 

in Esquerda.net

Syriza, e candidato à presidência da Comissão Europeia, defendeu que "é urgente fazer recuar o partido da senhora Merkel para recuperarmos a Europa".

A Europa do capital ficou preocupada com o 25 de abril, está na altura de lhe darmos mais preocupações. Maio é o mês dos trabalhadores, Maio é o mês em que não podemos desistir, vamos à luta em todos os campos", frisou a cabeça de lista do Bloco de Esquerda às eleições europeias.

"A velha aliança entre Portugal e a Grécia, que vem da década de 70, e que permitiu derrotar a ditadura, mantemo-la hoje, aqui, agora, e para o futuro, para derrotar uma outra ditadura: a da austeridade e dos mercados financeiros", afirmou Marisa Matias.

 

"Continuamos a precisar de uma desobediência. O nosso problema de hoje é haver ainda muita gente que continua a aceitar o abuso que lhe está a ser feito. A voz da esquerda nestas eleições será fundamental contra o inimigo comum da austeridade", avançou ainda a dirigente bloquista.

Marisa Matias referiu também que "o 25 de Abril serviu para quebrar o unanimismo forçado e trazer o país para a liberdade”, lembrando o papel fundamental dos Capitães de Abril.

No final da sua intervenção, a candidata do Bloco exortou todos e todas a recusarem-se a estar “de joelhos perante a Europa da austeridade”. “De pé, povos da Europa”, rematou Marisa Matias.

"Estas eleições são um referendo à vida"

"Tenho esperança que em 25 de maio a Europa vai virar à esquerda para termos as nossas vidas nas nossas mãos. Estas eleições são um referendo à vida. É urgente fazer recuar o neoliberalismo e o euro alemão. É urgente fazer recuar o partido da senhora Merkel para recuperarmos a Europa", disse Alexis Tsipras.

"É assim que criamos o futuro, alterando o presente, trocando o medo pela esperança e a miséria pelo otimismo", frisou o candidato da Esquerda Europeia à presidência da CE.

Lembrando que em Portugal a dívida subiu de 94% em 2010 para 129% em 2013, e que o PIB regrediu a níveis de 2006, e que na Grécia a dívida passou de 129% em 2009 para 175% em 2013 e o PIB recuou para níveis registados em 2000, Alexis Tsipras acusou os governos da troika de, em vez de resolverem a crise, prolongarem-na.

“A política neoliberal de desvalorização interna transforma a crise fiscal em humanitária”, apontou o líder da Syriza, acusando os governos de Portugal e Grécia de mentirem quando dizem que nos estão a beneficiar com os memorandos. “Na realidade, este é o regime de dissolução social”, avançou.

“Hoje a nossa luta contra a austeridade é uma luta em prol da democracia”, enfatizou Tsipras, acrescentando que “a Europa está numa encruzilhada. Ou opta pela austeridade, o desemprego e a pobreza, que se prolongarão por anos, ou escolhe a mudança com a Esquerda Europeia”.

O candidato à presidência da Comissão Europeia não deixou de prestar uma homenagem a todos os portugueses que participaram na revolução de 25 de abril 1974.

"Como candidato e como grego, presto homenagem à Revolução dos Cravos. Portugal nessa altura transmitiu uma mensagem de esperança ao povo grego. Asseguro-vos que, 40 anos depois, essa revolução continua a inspirar a nossa luta contra a ´troika´ para reconquistarmos a nossa soberania nacional", vincou o líder do Syrisa.

"Ou acabamos com a chantagem, ou a chantagem acabará com o país" 

Durante a sua intervenção, a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda afirmou que "os discursos da direita no 25 de Abril insultam-nos e ofendem-nos”. "Os mesmos que antes diziam que não podíamos diabolizar o FMI, como o CDS ou o PSD, que dizia que o programa da troika era o seu programa”, agora "comparam a saída da troika com a liberdade que nos trouxe o 25 de Abril", avançou Catarina Martins.

A dirigente bloquista frisou que "não há saídas limpas quando, na última avaliação, estão a decidir políticas que vão estar em vigor décadas e décadas". “A um mês de sair de Portugal, a troika negoceia com Passos Coelho e Maria Luis Albuquerque, com Pedro Mota Soares a fazer de papel de embrulho, um sistema de pensões que vai determinar a pensão de quem entra hoje no mercado de trabalho. Estão a determinar a pensão de quem se vai reformar em 2054”, lembrou a coordenadora nacional do Bloco.

Catarina Martins defendeu que “vamos para estas eleições europeias com duas escolhas claras: ou estamos de pé na Europa e renegociamos a dívida ou não haverá saída para a crise em que nos encontramos”.

"Não há austeridades fofinhas nem austeridades ´light´, não há leituras várias para o Tratado Orçamental mais ou menos ao sabor de cada governo. Ou acabamos com a chantagem ou a chantagem destruirá o país”, alertou.

A dirigente bloquista mostrou-se confiante na eleição do segundo da lista de candidatos do Bloco de Esquerda às eleições europeias – o independente João Lavinha. "Um homem que tem uma vida dedicada às questões da saúde pública, da investigação, alguém que mudou concretamente as nossas vidas e que tem estado em todas as lutas que importam e que agora está com o Bloco de Esquerda", avançou Catarina Martins.

Opinião
Redes Sociais